associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Apoio extraordinário para famílias carenciadas

in Notícias Gerais
Criado em 29 março 2022

O apoio extraordinário para as famílias carenciadas vai ser pago no mês de abril. Saiba o que é e quem tem direito.

apoio extraordinário para famílias carenciadas pretende reduzir o impacto do aumento dos preços dos bens essenciais nos orçamentos das pessoas com mais carências económicas. Vai ser pago apenas uma vez, durante o mês de abril.

A subida dos preços, que já se verificava desde 2021 devido à inflação, está a agravar-se, penalizando as famílias com rendimentos mais baixos. A guerra na Ucrânia, o aumento do preço dos combustíveis e a seca são alguns fatores que contribuem para esta situação.

Assim, e para reduzir “os efeitos do aumento extraordinário dos preços dos bens alimentares de primeira necessidade”, foi criado, pelo Governo, o Apoio extraordinário às famílias mais vulneráveis ao aumento dos preços de bens alimentares. Uma medida que, tal como acontece com o prolongamento do AUTOvoucher, surge como resposta a um contexto económico mais desafiante para quem ganha menos.

O apoio extraordinário às famílias carenciadas tem o valor de 60 euros por agregado familiar e é pago pela Segurança Social durante o mês de abril.

De acordo com o Decreto-Lei que regulamenta este apoio, este vai abranger as famílias beneficiárias da tarifa social de eletricidade no mês de março de 2022.

 

O QUE FAZER PARA RECEBER ESTE APOIO EXTRAORDINÁRIO?

Este apoio é pago de forma automática pela Segurança Social. Esta entidade recebe, da Direção-Geral de Energia e Geologia, os dados que identificam os beneficiários da tarifa social de eletricidade. E é com base nessa informação, que tem como referência o mês de março de 2022, que se procede ao pagamento.

Assim, se reúne as condições necessárias, confirme se tem os dados atualizados junto da Segurança Social. Caso o valor seja pago por transferência bancária, é conveniente ter o IBAN atualizado, para poder receber mais rapidamente.

 

Fontes

Fonte: e-konomista.pt, 28/3/2022