associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

É possível cancelar uma transferência bancária?

in Notícias Gerais
Criado em 28 fevereiro 2020

Descubra como proceder caso se tenha enganado a fazer uma transferência bancária.

As transferências bancárias são procedimentos regularmente utilizados pelos portugueses que possuem uma conta bancária, uma vez que são fáceis de realizar e podem ser feitas de várias formas: através do Multibanco, de homebanking e do balcão da sua instituição financeira.

No entanto, é preciso atentar nos custos das transferências: ao balcão estas têm custos elevados, sendo que pelo Multibanco e via homebanking, por norma, são gratuitas (salvo se forem transferências interbancárias). É normal que os portugueses prefiram utilizar os métodos gratuitos, embora possam não ter mecanismos de segurança associados (como é o caso do homebanking).

Imagine que faz uma transferência para um amigo pelo homebanking e, por erro, coloca um dígito diferente, levando a que a operação seja feita para outro beneficiário. Se a ordem for aceite, mas reparar nisto de imediato, então conseguirá facilmente cancelar, uma vez que as transferências não são efetivadas de imediato, existindo um período de tempo em que é possível reaver o seu dinheiro. Basta entrar em contacto com o seu banco ou instituição financeira e explicar o sucedido, para que este(a) cancele a transação.

 Mas e caso de não se aperceber do erro de imediato?

É possível não reparar de imediato que se enganou no destinatário da transação, seja por estar com pressa e por isso efetuou a transferência rapidamente, seja por não existir nome do beneficiário nas transações através de homebanking.

Portanto, pode dar-se o caso de realizar a transferência, a ordem ser aceite, o montante ser transferido e só reparar dias depois. Embora a resolução desta situação seja um processo mais moroso, conseguirá também cancelar a transferência bancária.

Neste caso, não se trata exatamente de cancelar uma transferência bancária, mas sim de uma devolução do montante enviado erradamente para um destinatário. O primeiro passo é contactar imediatamente a entidade financeira quando se aperceber do erro.

A instituição bancária, por sua vez, irá entrar em contacto com o destinatário ou com a entidade que tenha recebido o montante que transferiu. Se tudo correr bem, o recetor do valor irá devolver o dinheiro sem quaisquer problemas e a questão ficará resolvida.

Mas é ainda possível que o beneficiário não aceite devolver o montante em causa e, assim, terá de recorrer à via judicial. Este processo é mais demorado e acarreta custos, mas o mais provável será reaver o seu dinheiro, uma vez que o destinatário terá de justificar de onde vem o mesmo e não saberá como o fazer.

Descubra mais sobre o tema neste artigo.

Fonte: jornaleconomico.sapo.pt, 27/2/2020