associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Governo cria linha de crédito de 100 milhões para empresas familiares

in Notícias Gerais
Criado em 17 setembro 2019

Linha Sucessão Empresarial e Incremento de Escala vai ajudar a ganhar escala e aumentar a competitividade das empresas familiares em Portugal. Em causa estão 100 milhões de euros.

O Executivo está a operacionalizar, através do IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, uma linha de crédito de 100 milhões de euros para as empresas familiares — Linha Sucessão Empresarial e Incremento de Escala. Objectivo? Financiar processos de sucessão e de aquisição. O Eco avança que  as empresas familiares em Portugal vão poder contar com uma nova linha de crédito com taxas de juro bonificado, ou seja, mais baixo do que aquilo que é praticado no mercado. Mas o nível de risco das diferentes empresas é sempre tido em conta.

Corticeira Amorim, Grupo José de Mello, Impresa, Hovione, Nutrinveste, Gelpeixe são apenas alguns exemplos de empresas familiares em Portugal que demonstram que nem todas as organizações deste tipo são pequenas. No seu conjunto representam quase 80% do tecido empresarial português, 65% do PIB nacional e 50% do emprego, de acordo com dados da Associação das Empresas Familiares.

Apesar de serem inúmeros os exemplos de sucesso e de resiliência entre as empresas familiares, também existem desafios e problemas, há muito identificados. Por exemplo, há muito que as empresas familiares têm sinalizado o peso da carga fiscal como uma das principais preocupações, mas para já não haverá medidas direccionadas para esta questão, avança o mesmo órgão de comunicação.

O objectivo é aumentar “a competitividade e a produtividade empresarial através de processos de concentração e de aumento de escala das empresas, favorecendo a sua inserção e o posicionamento competitivo no mercado global”, explicou ao ECO, fonte oficial do Ministério da Economia. “Facilitar o financiamento de processos de sucessão e de aquisição de empresas tendo em vista o desenvolvimento de negócios, a obtenção de ganhos de escala”, são outras das metas que ajudam a definir as operações elegíveis para serem financiadas através desta linha.

 

Fonte: executivedigest.sapo.pt, 17/9/2019