associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Mudança na proteção social dos recibos verdes produz efeitos dia 1. Mas ainda não foi publicada

in Notícias Gerais
Criado em 29 junho 2018

As mudanças produzem efeitos a partir de 1 de julho, domingo, mas ainda estão por publicar. Diploma introduz mudanças em regimes de doença, parentalidade ou desemprego.

O diploma que altera a proteção social dos trabalhadores independentes continua à espera de publicação em Diário da República, ainda que a produção de efeitos esteja prevista já para dia 1 de julho.

As novas regras foram promulgadas pelo Presidente da República, mas ainda aguardam o passo seguinte para que possam entrar em vigor. Porém, fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social confirma ao ECO que a produção de efeitos do diploma remete para 1 de julho como, aliás, já tinha sido indicado.

Com estas alterações, os trabalhadores independentes passam a receber subsídio de doença a partir do 11.º dia de incapacidade (31º dia, atualmente) e ganham direito a prestações para assistência a filho ou a neto.

Além disso, cai para metade o período de contribuições exigido aos trabalhadores independentes economicamente dependentes para aceder ao chamado subsídio por cessação de atividade: 360 dias de trabalho, com correspondentes descontos, nos 24 meses anteriores. Ainda assim, os efeitos práticos desta mudança deverão ocorrer a duas velocidades: em julho para os trabalhadores independentes que recebiam 80% ou mais dos seus rendimentos de uma única entidade, por um lado, e a partir do próximo ano nos casos em que a dependência económica fica acima de 50% e abaixo de 80%, por outro. Isto porque esta alteração do limiar ocorreu em janeiro deste ano, o que significa que só a partir do início de 2019 será possível reunir 12 meses de desconto enquanto trabalhador independente cuja dependência económica fique entre 50% e 80%.

O diploma também vem introduzir outras mudanças no âmbito do período de descontos para aceder a proteção no desemprego (permitindo a ‘junção’ de contribuições feitas através do regime de trabalho dependente), estando ainda previstas alterações no subsídio para pequenos empresários.

Fonte: eco.pt, 29/6/2018