associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Crédito para empresas: como ter as melhores condições?

in Notícias Gerais
Création : 25 novembre 2022

Desde a criação à expansão, a vida de uma empresa passa por várias etapas que podem necessitar de apoio financeiro.

É por isso que os bancos e entidades financeiras criaram vários tipos de produtos, com vocações bastante diversificadas para atender às diferentes necessidades de uma empresa. Conheça as formas de crédito para empresas a que poderá recorrer, e descubra 5 dicas para obter as melhores condições.

 

10 opções de crédito para empresas que deve conhecer

Estas são algumas das opções de crédito mais comuns para empresas que poderá encontrar nos principais bancos e entidades financeiras. Tome nota e confirme qual será a mais adequada para responder às necessidades do seu negócio sem prejudicar a sua saúde financeira.

 

  1. Crédito Multifinanciamento

O Crédito Multifinanciamento consiste numa linha única de crédito que contém várias soluções de financiamento a curto prazo no mesmo contrato. Esta opção de crédito para empresas pode ser utlizada para várias funções de liquidez, e pode incluir uma conta corrente caucionada, financiamento de importação ou exportação, garantias bancárias e desconto de letras.

Entre as principais vantagens destacam-se a redução de custos iniciais e, por consequência, do próprio financiamento, na medida em que concentra vários produtos num só contrato. Além disso, é um processo simples, flexível e rápido, fatores essenciais para qualquer empresa, de qualquer dimensão. É ainda possível obter financiamento tanto em Euros como em outras moedas, na mesma linha e no mesmo contrato.

 

  1. Crédito ao Investimento

O Crédito ao Investimento encontra-se especialmente dirigido a empresas que querem crescer, financiando atividades profissionais como aquisição de imóveis, produtos de investimento e outras finalidades que visem o desenvolvimento empresarial.

As condições desta modalidade de crédito para empresas, geralmente, são adaptadas à situação de cada negócio, sendo inclusivamente possível adaptar planos de pagamento de acordo com as necessidades da empresa. Esta personalização é a maior vantagem do Crédito ao Investimento.

 

  1. Crédito de Apoio à Tesouraria

O Crédito de Apoio à Tesouraria consiste num empréstimo de curto prazo em que é colocado um determinado montante sempre disponível à empresa, para que esta possa fazer face a flutuações de tesouraria.

Por exemplo, é possível que as empresas tenham automaticamente saldo na conta quando esta se encontrar a descoberto, para que a empresa não deixe de responder a despesas correntes. Por outro lado, a dívida é automaticamente amortizada sempre que houve saldo credor, evitando assim juros desnecessários.

Geralmente, as taxas associadas ao Crédito de Apoio à Tesouraria são competitivas e as comissões tendem a ser mais baixas. Estas vantagens, a par da garantia de ter sempre capital disponível, tornam esta modalidade de crédito para empresas bastante procurada.

 

  1. Crédito para Pagamento de Fornecedores

O Crédito para Pagamento de Fornecedores, como o próprio nome indica, é uma solução de financiamento vocacionada para pagar aos fornecedores, em qualquer país e em qualquer moeda cotada.

Com apenas um único contrato, as empresas podem ter acesso a várias soluções, entre as suais se destaca o outsourcing da gestão de pagamentos, libertando recursos humanos do atendimento e da gestão de fornecedores. Isto origina uma melhoria da relação e da imagem da empresa junto dos fornecedores, e potencia uma maior capacidade negocial com os mesmos.

Além disso, é possível que os fornecedores recebam pagamentos adiantados, com cobertura total de risco, preservando a sua capacidade de endividamento para outras necessidades. As empresas podem acompanhar e controlar todo o processo e obter, em tempo real, informação sobre o estado de cada pagamento.

 

  1. Crédito para Pagamento de Impostos

O Crédito para Pagamento de Impostos coloca à disposição das empresas liquidez para pagar impostos à Autoridade Tributária e Aduaneira ou contribuições à Segurança Social. Assim, as empresas podem contar com uma ajuda para fazer face aos seus compromissos fiscais, aliviar a tesouraria e evitar coimas por incumprimento dos prazos no pagamento dos impostos.

É, contudo, necessário que as empresas tenham a sua situação fiscal regularizada e que apresentem comprovativos referentes aos impostos por liquidar. Geralmente, as taxas de juro neste tipo de crédito para empresas são competitivas, e o processo é simples, ágil e rápido.

 

  1. Leasing Mobiliário

O Leasing Mobiliário destina-se a financiar a aquisição de todo o tipo de bens móveis afetos à atividade empresarial, independentemente da sua natureza. Aplica-se, por exemplo, a veículos, maquinaria agrícola ou de construção, equipamentos industriais ou informáticos, material de escritório, ou equipamento médico.

Nesta modalidade de crédito, o banco cede à empresa o direito de utilização de um equipamento durante um determinado período contratualmente definido, mediante o pagamento de uma renda flexível, sendo que os juros das rendas contam como custos para efeitos fiscais. Findo o contrato, a empresa tem a possibilidade de comprar o equipamento, pagando o valor residual previamente definido.

 

  1. Leasing Imobiliário

O Leasing Imobiliário consiste num contrato de crédito que cede à empresa o direito à utilização temporária de um imóvel mediante o pagamento de uma renda.

À semelhança do que acontece em qualquer tipo de Leasing, também neste caso a empresa tem a opção de comprar o imóvel no final do contrato, pagamento o valor remanescente. Caso não tenha esse interesse, a empresa poderá devolver o imóvel ao banco ou celebrar um novo contrato de Leasing.

Geralmente, as empresas recorrem a este tipo de financiamento para utilizar ou adquirir instalações fabris, armazéns, parques industriais, clínicas, hotéis ou escritórios, desde que sejam passíveis de registo. Trata-se de um processo fácil e simples, e pode incidir sobre um único bem imóvel ou vários.

 

  1. Leasing Automóvel

O Leasing Automóvel rege-se pelas mesmas regras que os tipos de Leasing anterior, com a diferença de, neste caso, se aplicar a viaturas novas, ligeiras e de mercadorias.

Assim, com o Leasing Automóvel, as empresas podem financiar até 100% a compra de um carro novo, escolhendo a marca e modelo. No final do contrato, a empresa tem a liberdade de efetivar a compra, devolver a viatura ou celebrar novo contrato para outro veículo.

Esta solução, por não obrigar ao pagamento de uma entrada, tem menor impacto na capacidade financeira da empresa, além de abrir portas a benefícios fiscais. Por exemplo, os veículos comerciais permitem dedução do IVA a 50%, e não estão sujeitos a Tributação Autónoma.

 

  1. Garantias bancárias perante terceiros

As garantias bancárias perante terceiros asseguram que uma empresa cumpra as suas obrigações. Por exemplo, podem ser necessárias para sobre a admissão a concursos públicos, empreitadas ou contratos de fornecimento assumidos perante o Estado, autarquias e entidades públicas e privadas.

Este tipo de crédito para empresas funciona por assinatura e pode ser celebrado por prazo certo, renovável ou não, de acordo com o risco da operação. Assim, é o próprio banco que assume a responsabilidade perante este tipo de obrigações assumidas pela empresa e as honra em caso de incumprimento. Esta forma de crédito é muito utilizada para facilitar a atividade de importação ou exportação e a participação em concursos internacionais.

 

  1. Linha de Crédito para a Descarbonização e Economia Circular

A Linha de Crédito para a Descarbonização e Economia Circular destina-se a financiar micro, pequenas e médias empresas que desenvolvam projetos de eficiência energética e economia circular. Este financiamento para empresas tem como objetivo ajudar o país a atingir as metas definidas Plano Nacional Energia-Clima 2030, apoiando medidas que ajudem a fazer a transição para o uso de energias renováveis e para a economia circular.

As empresas devem estar certificadas por declaração eletrónica do IAPMEI para ter acesso a este crédito, e o montante máximo concedido, por empresa ou por projeto, é de €2 000 000. O prazo máximo deste financiamento é de 10 anos, com carência de capital até 2 anos – ou seja, durante este período, a empresa pode não pagar a mensalidade, mas apenas os juros.

 

 

5 dicas para conseguir um crédito para empresas com as melhores condições

Para convencer a entidade financeira a aprovar o crédito para a sua empresa, não basta que a sua ideia de negócio seja boa, também é preciso que pareça boa. Com estas dicas, terá maior probabilidade de passar no crivo do banco.

 

  1. Faça o trabalho de casa

Antes de entrar em contacto com as entidades financeiras, é necessário fazer uma boa preparação. Em primeiro lugar, defina com clareza e precisão o que deseja, especifique o montante necessário, e liste formas de saldar a dívida, com um cronograma associado.

É igualmente importante que o seu plano de negócio esteja bem estruturado e atualizado, com objetivos bem definidos e um plano de crescimento sustentável.

Acrescente dados sobre as tendências da sua área de negócio e de mercado que fundamentem a sua estratégia, e prepare uma apresentação segura, positiva e confiante, que demonstre sólido conhecimento da sua empresa e do mercado.

 

  1. Prove a sua capacidade financeira

O risco de crédito será escrutinado pelo banco, pelo que deverá comprovar a sua capacidade financeira para cumprir as obrigações associadas ao crédito.

Assim, prepare-se e reúna argumentos que comprovem um histórico de cumprimento de compromissos anteriores, quer com o banco, quer com o Estado, e que atestem a saúde financeira da sua empresa. Desta forma, o banco conseguirá perceber que pode suportar o custo do financiamento, que a amortização é viável e que a empresa não é colocada em risco.

Um dos documentos que melhor comprovam a sustentabilidade do crédito é o último balanço da empresa, além do plano de negócio que preparou no ponto anterior. É também importante que toda a documentação contabilística esteja em dia e devidamente organizada, e que seja apresentada de forma clara, para reforçar a confiança do banco na sua capacidade financeira.

 

  1. Seja profissional

A diplomacia e a forma de apresentação é palavra de ordem, tão ou mais importante do que o projeto em si. Prepare o dossier de forma a facilitar a consulta do banco, dando especial foco aos pontos mais importantes e mais persuasivos, anexando documentos específicos para fundamentar e robustecer a proposta.

Certifique-se de que o conteúdo se encontra devidamente apoiado em factos, dados e estatísticas, com total transparência. As projeções devem ser realistas, consistentes e comprováveis.

Por exemplo, em vez de referir apenas que a aquisição de um determinado equipamento resultará num aumento de vendas, deverá especificar qual a capacidade produtiva do equipamento atual, e qual a produtividade esperada do equipamento a financiar, considerando a diferença de caraterísticas técnicas que permitem o incremento produtivo, e o impacto calculado na faturação da empresa.

 

  1. Prepare os documentos

Cada entidade financeira poderá solicitar documentos diferentes, pelo que é importante confirmar, de antemão, o que a linha de crédito à qual se propõe requer a este nível. Coloque neste passo todo o empenho, pois será mais um reflexo da sua capacidade de compromisso, de organização e de foco.

Entre os documentos geralmente solicitados pelas entidades financeiras constam o último balancete e comprovativo de não dívida à Autoridade Tributária e à Segurança Social, o organograma da empresa, a apresentação e histórico de crescimento da empresa, certificação IAPMEI ou o orçamento para o investimento que está a solicitar.

 

  1. Contacte primeiro o seu banco

É boa prática fazer uma pesquisa exaustiva das condições oferecidas por várias entidades financeiras. Contudo, fale primeiro com seu banco. Geralmente, os bancos podem estar mais recetivos a aprovar um empréstimo ou a disponibilizar condições mais vantajosas a quem já é cliente, para preservar a relação comercial.

Além disso, não será necessário, à partida, apresentar todos os documentos que seriam necessários a uma entidade que não o conhece – o seu próprio banco, pela relação já existente, já os detém, e conseguirá perceber mais facilmente se a sua empresa é de risco ou se, pelo contrário, reúne as condições necessárias para celebrar um contrato de crédito.

Concluindo, estas são as principais formas de crédito para empresas disponibilizadas pelos bancos e, seguindo estas dicas, terá maior probabilidade em conseguir as melhores condições e ver o seu crédito aprovado.

Tenha sempre em mente que deve avaliar, em primeiro lugar, as soluções que o seu banco disponibiliza e, de seguida, pesquisar e explorar a oferta de outras entidades. Desta forma, estará em melhores condições para conhecer e avaliar o que o mercado oferece, e tomar a decisão mais acertada para o seu caso em particular.

Fonte: executivedigest.sapo.pt, 25/11/2022