associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

N-Invest - Oferta Qualificada, Diferenciadora e Facilitadora na Captação de Novos Investimentos

in Destaque
Created: 20 May 2019

Projeto N-Invest mapeia e classifica empresas da região Norte para atrair investimento.

https://www.n-investportugal.pt/

Um projeto de mapeamento empresarial dos 86 municípios do Norte, articulado com um observatório e uma plataforma eletrónica "permanentemente atualizados", da Associação Empresarial de Portugal (AEP) como instrumento de captação de investimento para a região.

Designado N-Invest e com investimento total de 985 mil euros, financiados a 85% pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), o projeto "combina o mapeamento, a caracterização e a classificação" das 407 áreas empresariais da região Norte, com a disponibilização de um observatório (de informação socioeconómica e empresarial) e de uma plataforma eletrónica (com dados sobre toda a "oferta pertinente") permanentemente atualizados.

O objetivo é "promover uma melhor e mais eficaz articulação e promoção entre a oferta e a procura", dispondo por isso o projeto também de um gabinete de apoio ao investidor para "aconselhamento personalizado aos empresários, nacionais e estrangeiros, que pretendam investir na região".

"Pretendemos com o N-Invest dotar a região Norte de uma envolvente mais propícia à atratividade de novo investimento, criando as melhores condições para o desenvolvimento da iniciativa privada", sustenta a AEP.

É que, refere, existem atualmente na região "debilidades associadas à ausência de uma estratégia territorial conjunta", assim como uma "elevada dispersão do tecido empresarial fora das áreas de acolhimento empresarial".

Promovido pela AEP, em cooperação com diversos atores públicos e privados, o N-Invest é apresentado hoje em Matosinhos, no distrito do Porto, numa sessão em que participam o ministro adjunto Pedro Siza Vieira e o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-Norte), Fernando Freire de Sousa.

"Pretendemos com o N-Invest dotar a região Norte de uma envolvente mais propícia à atratividade de novo investimento, criando as melhores condições para o desenvolvimento da iniciativa privada, na região geradora de mais emprego em Portugal (35%) e que representa 40,2% das exportações de bens", sustenta a AEP.

Segundo a associação, apesar de se tratar de um projeto com âmbito regional, o N-Invest "visa responder a prioridades que se colocam à escala nacional" com vista a um crescimento económico "mais significativo e sustentável".

Algo que, defende, tem de ocorrer "fundamentalmente pela via do investimento, sobretudo privado (nacional e estrangeiro) e orientado fundamentalmente para os setores produtores de bens e serviços transacionáveis, que promovam o aumento das exportações, elevando a intensidade exportadora do país", que está "ainda muito aquém do expectável", bem como a substituição de importações.

A opção pela região Norte para desenvolvimento do projeto é justificada com a "enorme capacidade empreendedora e enorme contributo [da região] para a criação de riqueza, emprego, e equilíbrio externo do país".

"Estamos a falar de uma região com um elevado peso na criação de riqueza, que mais emprega e uma das regiões que mais investe", destaca.

Adicionalmente, refere, trata-se de uma região com "uma forte vocação exportadora", que "representa 40,2% das exportações de bens" e que "tem registado sistematicamente um excedente comercial na balança de bens" (mais de 5,7 mil milhões de euros no ano passado, com uma taxa de cobertura de cerca de 135%), numa "situação incomparavelmente mais favorável face ao nível global do país".

Entre os principais objetivos do N-Invest são destacados a atração e fixação no Norte de novas empresas e negócios, a criação de valor acrescentado, a geração de emprego, o estímulo à competitividade empresarial e o fomento de uma "estreita ligação" entre associações empresariais, organismos públicos e instituições do setor científico e tecnológico.

Pretende-se ainda "provocar um efeito de arrastamento na economia portuguesa", aumentado "a coesão económica, social e territorial", reforçando sinergias e estimulando a colaboração entre os principais agentes envolvidos.

Fonte. lusa.pt, 25/05/2018