associação comercial e industrial de arcos de valdevez e ponte da barca

Chegou a nova nota de 50 euros. O que traz de novo?

in Notícias Gerais
Criado em 04 abril 2017

São as que existem em maior quantidade e também as que mais são contrafeitas. Esta terça-feira as notas de 50 circulam de cara renovada para combater o problema da contrafação.

A nota de 50 vai continuar a misturar o laranja e o castanho, mas a proteção é maior: os elementos de segurança foram reforçados, refletindo pequenas mudanças no estilo da nota. O design é da autoria de um desenhador de notas independente que reside em Berlim, Reinhold Gerstetter. Mas o que esta nova nota traz é mais proteção contra a falsificação, um problema que envolveu mais de 700 mil notas no ano passado. Vem aí o trio de ataque: trocar, observar e inclinar nas notas da zona euro.

Se a tecnologia de proteção continua a melhorar, também as formas de ultrapassar essas medidas de segurança continuam a ser desenvolvidas. É por isso que, periodicamente, os bancos centrais costumam mudar as notas que estão em circulação, reforçando a sua capacidade de resistir à contrafação. A última atualização feita tinha sido na nota de 20 euros, no final de 2015. Esta terça-feira começa a circular a nova nota de 50 euros, a quarta a ser renovada.

Segundo os dados do Banco Central Europeu divulgados em janeiro deste ano, as notas de 50 euros foram as mais contrafeitas no segundo semestre do ano passado. No total, a nota de 50 representou 42,5% das notas contrafeitas, seguida pela nota de 20 (37,8%) e de 100 euros (9,7%). A contração de notas de 20, em comparação com o primeiro semestre de 2016, aumentou em vez de diminuir com a introdução da série ‘Europa’. Em Portugal, a nota de 50 euros é a segunda mais contrafeita (2.699 notas de 50 foram apreendidas em 2016). A nota de 20 euros foi a mais contrafeita (3.876 apreensões).

Estes números não são surpreendentes: a nota de 50 representa 45% de todas as notas de euro em circulação, sendo a mais utilizada, segundo o BCE. “A quantidade de notas de €50 em circulação é superior à das de €5, €10 e €20, em conjunto, sendo aproximadamente igual à quantidade total de notas de todas as denominações em circulação no final de 2002, o ano em que as notas e moedas de euro começaram a circular”, explicou o banco central da zona euro quando apresentou a nova nota.

Esta nova fornada de notas começou pela de cinco e seguido pela de dez, a de 20 e agora a de 50. No entanto, não é caso para se assustar: as notas antigas continuam a circular, mantendo o seu valor. Se quiser pode trocá-las nos bancos centrais nacionais da zona euro “por um período ilimitado”, segundo informação do Banco Central Europeu. No total existem 19 mil milhões de notas genuínas da moeda única em circulação. A maior parte da contrafação é feita dentro dos Estados-membros.

Aqui joga-se a um nível quase macroscópico, mas com grande impacto (espera o BCE) na segurança da nota. No pormenor do pormenor é possível verificar as principais mudanças:

Tal como na nova nota de 20 euros, este novo modelo conta com a “inovação da janela com retrato no holograma”: observada contra a luz, a janela transparente e a marca de água tornam visíveis o retrato da figura mitológica grega, a Europa, e os algarismos representativos do valor da nota;

Na parte da frente, a nota tem um número esmeralda, que brilha quando a nota é inclinada, mudando do verde-esmeralda para o azul-escuro;

Nas extremidades é possível “sentir” a nota, tocando-a, dado que na margem esquerda e direita se sente uma série de pequenas linhas impressas em relevo. Esta funcionalidade completa o trio “trocar, observar e inclinar”, o método triplo que o BCE agora usa nas notas;

Num exame à nota com luz ultravioleta é possível verificar que existem várias fibras incorporadas que dão um brilho de tonalidade amarela. Existem outros brilhos de tonalidade verde e de tonalidade vermelha;

A nova nota é também mais inclusiva. Existem vários países que entraram na União Europeia desde que as notas entraram em circulação. O mesmo acontece nos Estados-membros que fazem agora parte da zona euro: países como a Malta, Lituânia, Letónia, Estónia, Eslovénia, Eslováquia e Chipre integraram o grupo já depois do início da moeda única.

Segundo o BCE, o mapa da Europa inclui agora o Chipre e Malta, a palavra euro aparece escrita em carateres dos alfabetos latino e grego e as iniciais do BCE passam a estar em dez variantes linguísticas em vez das cinco atuais. As notas de ambas as séries têm curso legal nos 19 países da área do euro. Contudo, as notas de 500 euros, tal como já foi anunciado, deixaram de ser produzidas, mantendo-se em circulação as que atualmente existem.

Quem tem de estar atento a esta nova mudança são as empresas que têm um estabelecimento comercial ou que utilizam de forma regular máquinas de tratamento de numerário ou dispositivos de autenticação. Os comerciantes têm de assegurar de o seu equipamento já está adaptado a estas novas notas da série Europa. O mais prático é verificar se o seu dispositivo está nesta lista. “Os dispositivos de autenticação de notas foram testados com as notas contrafeitas identificadas em circulação com maior frequência à data dos testes”, esclarece o BCE.

A recomendação do BCE é que não aceite a nota se achar que esta é suspeita. Caso a aceite, não a deve colocar em circulação — tal constitui um crime — mas sim entregar às autoridades policiais locais, ao seu banco ou ao banco central nacional.

Fonte: eco.pt, 4/4/2017